Últimos assuntos
» Etheral Pack
Seg 14 Mar 2016, 10:51 por Soph

» Prólogo
Sex 25 Abr 2014, 01:31 por Soph

» Aleczandra Keller - Mara Romanov
Dom 20 Abr 2014, 01:55 por Soph

Parceiros
Fórum grátis


Prólogo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Prólogo

Mensagem por Soph em Sex 25 Abr 2014, 01:31

Um prólogo meio confuso, mas em parte foi culpa do sono e eu garanto que com o tempo tudo se vai esclarecer. No próximo capítulo já terão uma noção de quem é ela, e da situação, entretanto boa leitura e até lá em baixo o/

A chuva chocava contra o seu corpo em movimento, porém ela nem se importava. Sabia que agora que conseguira escapar, demorar-se a fugir seria a sua sentença e que naquele momento, todos os segundos contavam na diferença entre a liberdade e, provavelmente, a morte. Se a apanhassem, depois de tudo o que sucedera, a pena não seria nada leve e não era o caso em que faltasse quem a quisesse ver morta, era esse o perigo. Se encontrasse um membro da milícia, ou alguém que a reconhecesse, como escaparia?
O passo era apressado, as vestes coladas ao corpo, a água escorrendo dos seus cabelos e pingando do seu nariz. Toda ela estava ensopada, e ao seu redor eram poucas as pessoas que se submetiam àquele temporal, exceto os sem-abrigo e aqueles que tinham que fazer as rondas pela cidade. Ao chegar á Avenida, tentou escapar ao trânsito, atalhando por um caminho deserto e com má fama. Mas que podia ela fazer, quando a necessidade da sobrevivência, a adrenalina e o desejo de um lugar seco e quente falavam mais alto? Se tivesse algum desencontro, teria que se defender, e depois seguir com a fuga.
Do que fugia?
Doente. Era o adjectivo que os médicos usavam no seu diagnóstico. Maluca, outros diziam; uma vândala, assassina, psicopata, palavras correntes nas bocas do povo. Para si os loucos eram eles. Era verdade que fugira do hospital, hospício, ou manicómio, como preferirem, mas não aguentava ficar num lugar onde não pertencia, onde lhe era estampado o rótulo que quem frequentava o local recebia. Á anos que aquele prédio degradado, em más condições mas uma segurança extrema era a sua ”pensão”. Nunca fora sua casa, nunca se sentira bem enquanto lá estivera, mas tinha sido o seu teto e as suas paredes enquanto formulava um plano para furar a segurança e redescobrir o que havia além dos muros. E agora ela descobrira. Chuva era o que mais via de momento, mas sabia que seguindo para Oeste iria encontrar a floresta que tantas vezes desenhara, com que tantas vezes sonhara e se imaginara. Não lhe pretendia tomar o rumo de imediato, mas quando se instalasse em local seguro ou quando estivesse já longe da população, era garantido que se ia embrenhar. Por enquanto, seguia a estrada sinuosa e desértica, até que o som de passos a fez focar a sua atenção, e esforçar a vista para ver o que estava alguns metros adiante. Pelos passos arrastados, uma pessoa, nesse caso um mendigo ou alguém necessitado, mas não tinha nem dinheiro nem desplante para se dar ao luxo de diálogos, então tentou passar direto por ele, prestando atenção aos olhares de cobiça que este lhe lançava. O passo cada vez mais acelerado, e quando se deu conta quase corria, encurtou o tempo do trajeto, e logo estava em frente a outra avenida, carros luxuosos passando por si em alta velocidade.
– Tenha cuidado, estradas desertas como a que acabou de atravessar são perigosas e frequentadas por má gente. – Gelou ao ouvir a voz masculina tão perto de si. Virou-se, de cabeça baixa, constatando que era um membro da milícia pelo que fardava e assentindo com a cabeça. O homem chegou-se mais perto e erguendo a cabeça ela pôde ver que se encontrava com toda a certeza na faixa etária dos 30 anos, à volta disso. – Como te chamas?
Se ainda havia o que gelar no seu interior, tinha-se convertido em gelo naquele momento. Olhou-o meia hesitante, ainda abrindo a boca uma vez ou duas antes de responder com a voz firme.
– Mara, Mara Romanov.
A partir de agora aquele era o seu nome.

Heeeeyo de novo, eai gostaram, odiaram, acharam um lixo? Eu não mordo, sabem (mentira, mordo se quiserem kk) e ia amar se esse cap recebesse assim uns 3 rewiews, já me fazia mega feliz e super motivada para o próximo cap. Falando no próximo cap, eu não tenho data marcada para postar, ainda estou formulando as ideias do que quero para a fic mas penso que 3/4 de maio eu já o terei pronto, veremos... Outra coisa, eu não gosto de fantasminhas, sabiam? Então vá, bora fazer a Titia Soph feliz? o/
avatar
Soph
Administrador
Administrador

Mensagens : 215
Data de inscrição : 25/03/2013
Idade : 17
Localização : Muahland *~*

http://muahland.portugueseforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum